Páginas

sábado, julho 24, 2010

Como ficar sem palavras?!

Assim tu chegaste,
Sem pretensão, por um destes textos quaisquer..
Talvez nem um texto, nem poesia, num microconto talvez..
Chegou deixando tua marca, teu nome, chegou me deixando a pensar..

O tempo passa... A vida flui, mas ali tu estavas, sempre a retornar..
Sempre a me fazer voltar nos pensamentos, relembrar tuas palavras.
Até que chegara o dia em que as frases esporádicas se foram...
Tuas palavras constantes vieram, chegaram...
Me refizeram, me transformaram...

Eu descobri em ti cada partícula do que eu tentei ser em uma vida
Eu descobri nos teus olhos toda uma espera, toda uma esperança
E projetei meus dias, meus sonhos... Projetei na tua vida
Projetei em cada minuto de ansiedade, um sentimento especial

Fiz do utópico o meu mais óbvio..
Transformei toda minha realidade na tua utopia, nosso sonho...
Me peguei andando em círculos,
Procurando teu menino nas nuvens, o menino criador
Me pus a acreditar que o impossível e o sonho não caberiam na mesma frase
Acreditei intensamente que meu destino estava ali,
Mas o ali era longe.. Baita longe!

Quando o sonho se torna palpável, ele cria antíteses...
O bem e o mal...
O certo e incerto...
Angústia e Felicidade...
Os clichês mais originais que minha vida poderia viver
Tu, longe de mim...

Aí eu fiquei, pelas ruas de Porto Alegre, ruas sem fim...
Aí deixei minha histórias, por paredes geladas
Por sorrisos sem face, pela chuva que escorreu de mim para o chão...
Que se foi, que levou parte da minha respiração...

Nos muros de Porto Alegre escrevi minha mais bela poesia
E também o meu romance mais inacabado, ficara no rascunho...
Rascunho dos meus desejos, que ainda te tem vivo
Rascunho dos meus sonhos, que se negam a te deixar ir

Minhas noites mais frias foram as de calor...
Por não te ter comigo, por não poder te fazer chegar
Te criando mais uma vez nas minhas paredes vazias

E agora o vazio retornou...
O sonho dissipou... Não existe sonho sem seu protagonista
Não existe mais a poesia sem o lirismo que a constrói...
Tu se foi, tu vai... E eu fico, eu fiquei.
Fiquei presa às memórias...
Estou presa à cenas que não vi.
Palavras que duraram 2 minutos
E que me levaram toda uma história.

Assim tu se vai,
Sem pretensão, levando embora contigo todos estes textos
Deixando em mim tua marca, teu nome, me deixando a pensar..
Não, não é um bom final.
E sim, o sonho vira pesadelo.

Tu me diz adeus,
Eu não sei o que te dizer..
Tu diz que me ama,
Eu te peço para guardar tuas palavras.
Tu se vai,
Eu vou...
Caminhos diferentes.
Fim.










7 comentários:

  1. eu gosto tanto de gente que chega e mora nas palavras da gente.

    ResponderExcluir
  2. Tão tão tão, deixa eu respirar...

    Bela declaração.


    Lindo

    beijos

    ResponderExcluir
  3. "Minhas noites mais frias foram as de calor..."
    essa fraze me trouxe lembranças!

    Feliz dia do escritor pra você!

    Obrigada pela visitinha

    ResponderExcluir
  4. caramba
    que texto envolvente
    empolgante e sublime.
    sincero.
    gostoso d ler.
    parabens *-*

    ainda bm q pra escrever não precisamos d folego
    se não falaria só daqui uns 3 minutos kkk.

    ótima quarta
    e feliz dia do cotonete
    para orelhões.
    *-*
    abraço!
    ah e se tiver tuiter será bm vinda no
    @kibesta
    se não tiver.num tm problema kkk

    ResponderExcluir
  5. Exatamente meu momento!

    "Assim tu chegaste,
    Sem pretensão, por um destes textos quaisquer..
    Talvez nem um texto, nem poesia, num microconto talvez..
    Chegou deixando tua marca, teu nome, chegou me deixando a pensar.."

    ^^

    Lindo!
    ;*

    ResponderExcluir
  6. "Assim tu se vai,
    Sem pretensão, levando embora contigo todos estes textos
    Deixando em mim tua marca, teu nome, me deixando a pensar..."

    Quando o amor se vai, sempre deixa marcas, sensações, sentimentos... cabe a gente perceber se vale a pena ficar com essas coisas dentro da gente...

    Bjs!

    ResponderExcluir

Vivendo o Óbvio Utópico...