Páginas

terça-feira, janeiro 12, 2010

.... tirei o amor para dançar

Tirei o amor para dançar. E que maestria ele tinha para guiar, entre os pra lá e pra cá, um olhar me disparou. Desviei o olhar, para que ele não visse o brilho que subitamente emergia da minha íris, percebi seu sorriso contido no canto da boca, lancei-lhe um olhar tímido e ele baixou a face... Levantei os olhos à procura de minha alma, parecia que só meu corpo estava ali a bailar... Bailei o som da mocidade, lembrei das primaveras de saudade, desenhei conversas, respirei fotografias amareladas...

Segurei o queixo do amor entre meus dedos e lhe dei um beijo na face, vagaroso e atordoador. Senti minha outra mão a ser comprimida entre seus longos dedos... Parei, recuei. Reclinei meu olhos e suspirei baixo, calado... Senti uma brisa sacudir minhas madeixas, era sua mão, a me puxar para ele, para seu peito terno. E ali eu me entreguei. Cansei de procurar caminhos e fugir nas bifurcações, ali eu me entreguei e me fiz dele.
Foi então que eu abandonei minha túnica da saudade.

9 comentários:

  1. Abandonou mesmo? Que bom, se sim.
    Saudade judia por deeeeeeeemais dagente.

    Boa Terça Feira Feliz. *-*

    ResponderExcluir
  2. Abriu um sol de todo esse lá menor...

    ResponderExcluir
  3. Minha imaginação ensaiou toda uma cena para o seu texto. Inspirador!

    ResponderExcluir
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  5. Liberte-se, saudade dói!
    Isnpirador [2]

    ResponderExcluir
  6. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  7. Que coisa mais linda, Nathi! :D

    Tuas palavras bailaram e tomaram vida própria.

    Adorei!
    Beijos!

    ResponderExcluir
  8. Esse seu texto é fera, o seu blog está de mais, parabéns!
    Já to aqui e estarei sempre por aqui..
    Um beijo!

    ResponderExcluir
  9. Amor assim é bom, só não se podemos tirar o véu que nos protege.

    ResponderExcluir

Vivendo o Óbvio Utópico...