Páginas

quarta-feira, setembro 15, 2010

... leve contigo...


Pegue todos os meus desejos e leve contigo,
Eles só existem por eu ver um desejo em ti.


[Não há como desejar sem sentir o calor de volta, sem ver, sem ouvir, sem tocar...]
 
 
Pegue meus sonhos e guarde junto aos teus,
Eles nasceram quando te descobri.
 
 
[Os sonhos não se dão bem em carreira solo... ]
 
 
Pegue cada lembrança minha e reacenda as tuas,
Elas são as maiores provas do que vivemos.


[Lembranças me provam que te amei, que te toquei... E me fazem ter certeza do que ficou no passado]
 
 
Pegue os poemas que te escrevi e junte às cartas,
Eles são meu testamento, onde te dou tudo que tenho.


[Meus poemas serão apenas despedidas tristes na ausência tua]
 
 
Pegue também meu amor e onde o teu estiver, o deixe,
Eu o deixei crescer para que completasse o teu.
 
 
[E se tu se vai, não tem porquê eu continuar aqui...]

9 comentários:

  1. E nada mais posso fazer além de escrever-te, declarar e desabafar em palavras insanas.


    Ai lindo Nathii!!!


    beijos

    ResponderExcluir
  2. 'Pegue cada lembrança minha e reacenda as tuas,
    Elas são as maiores provas do que vivemos.'
    Amei, sério. Você escreve muito! Seguindo seu blog já :*

    ResponderExcluir
  3. "[E se tu se vai, não tem porquê eu continuar aqui...] "

    Parece que as coisas n tão boas!
    =/
    Cadê a senhorita no msn?

    Tão lindo e tão triste! =/

    Gostei da imagem!
    "Do outro lado..."

    Beiijooo!

    ResponderExcluir
  4. Belo e delicado o poema, Nathália!
    Bjs

    ResponderExcluir
  5. Só quando os sonhos se tornam tangíveis, podem se transformar em cinzas... podem se transformar em uma realidade tão triste [e linda] como esta que tu escreveu, xarááá.

    ResponderExcluir
  6. E se você se vai, não tem sentindo ficar aqui...
    É por ai mesmo, me dá até um nóa pensar que um dia todos se vão...

    Abraços Imundos!

    ResponderExcluir
  7. Meu blog mudou de endereço, o novo é:
    http://vemcaluisa.blogspot.com/
    :)

    ResponderExcluir

Vivendo o Óbvio Utópico...